Saiba o que fazem os superidosos, que tem uma memória para dar o que lembrar

Compartilhe:

Você já ouviu falar nos “superidosos”? São uma parcela da população com idade igual ou superior a 75 anos e com memória de indivíduos em torno de 50 e 60 anos. Eles também são chamados de “idosos de alta performance”, pois se destacam em testes de memória ou por apresentar desempenhos superiores ao considerado normal para sua idade em determinadas atividades do dia-a-dia.

Isto porque, hoje, sabe-se que a capacidade de reter novas memórias é alterada com o processo de envelhecimento. Um processo natural, em que os órgãos começam a perder um pouco da sua capacidade com o passar dos anos.

Mas algumas universidades brasileiras têm buscado compreender o que acontece com os cérebros dos idosos de alta performance. As pesquisas na área poderão ajudar a desenvolver novos tratamentos para a doença neurológica mais temida pelas pessoas da terceira idade, o Alzheimer.

O principal desafio dos especialistas é entender o que faz os cérebros dos superidosos serem mais resistentes aos efeitos do avanço da idade e quais são os fatores importantes para manter uma boa saúde mental na terceira idade.

Até o momento, o que já foi descoberto é que parte deles apresenta maior volume cerebral, especialmente na região chamada do cíngulo anterior, uma estrutura que conecta diferentes regiões do cérebro e participa ativamente de funções cognitivas, inclusive da memória. Além disso, eles têm uma maior quantidade de um tipo específico de neurônio, chamado de Von Economo, relacionado a características de sociabilidade.

Mas não só isso: envelhecer bem e manter essas estruturas ativas e saudáveis são essenciais. Alimentação, exercício físico e estímulo cognitivo têm se mostrado como fatores muito importantes para a saúde do cérebro.

O bom humor também entra nessa lista. Estudos mostraram que os idosos de alta performance apresentam maior nível de “relações positivas com outros” em uma escala de bem-estar psicológico, o que significa manter relacionamentos acolhedores, seguros, íntimos e satisfatórios com outras pessoas. E apresentaram menor frequência de sintomas depressivos do que o restante da amostra de idosos saudáveis.

5 passos para manter a mente saudável

Enquanto as pesquisas seguem tentando desvendar os segredos dos superidosos, alguns hábitos cotidianos podem ajudar bastante em um processo de envelhecimento mais saudável:

  1. Movimente-se, a prática de atividade física, independentemente da intensidade, aumenta o volume da substância cinzenta do cérebro e o fluxo sanguíneo em regiões cerebrais;
  2. Alimente-se bem, o bom controle dos níveis de pressão arterial e de glicose também colaboram para um envelhecimento cerebral saudável;
  3. Ponha a cabeça para funcionar, seja por meio de voluntariado, cruzadinhas, ou outras atividades, isso pode contribuir para o aumento da reserva cognitiva;
  4. Relaxe, exercícios de meditação e ioga estão associados à diminuição de substâncias inflamatórias no cérebro.
  5. Seja saudável, não fumar e parar com bebidas alcoólicas protege os neurônios contra as toxinas desses hábitos.

Com informações de Gazeta Online

Últimas Notícias